• Porto

    11 a 14 de junho de 2018

SOBRE

  • Para que se conheça grande parte do trabalho social realizado em Portugal, é necessário ir ao terreno, ao local onde se faz a diferença. Se não gostas de perder um desafio e gostas de fazer a diferença, prepara a tua mala!

    A Cooperativa António Sérgio para a Economia Social (CASES), em parceria com o I.P.A.V. oferecem-te a possibilidade de viajar por diferentes zonas do país, conhecer diferentes instituições de solidariedade, entre outras atividades divertidas.

    A semana decorre na região do Porto entre 11 a 14 de junho de 2018.

    11 a 14 de Junho 2018

    bloco1

    50 estudantes do 9º ano e o ensino secundário ou profissional

    bloco2

    PSOTR

Noticias

  • Portugal Social: last stop

    Os dias finais do Portugal Social on the Road foram passados a conhecer a realidade cooperativista e um grupo dedicado à solidariedade social. Entre viagens, os participantes da semana puderam usufruir de paisagens inigualáveis e atividades lúdicas, para além da componente cívica. Ao quinto dia, a 15 de julho, a viagem seguiu até Oliveira do Bairro para uma visita às instalações da Calcob – Cooperativa Agrícola. Este espaço dedica-se à comercialização de produtos hortícolas provenientes de associados.

  • Explicar o Mutualismo

    A Cidade do Conhecimento foi o destino de mais um dia na academia Portugal Social on the Road, com uma visita a algumas das valências de A Previdência Portuguesa, bem como momentos de reflexão sobre valores mutualistas. O Jardim de Infância da instituição (JIPP) integra o ensino pré-escolar, uma creche e ainda uma sala para crianças entre os 2 e 3 anos de idade. Durante o Verão e, apesar da continuidade de um carácter educativo permanente, oferece atividades mais lúdicas àqueles que frequentam o espaço.

  • Valores humanistas em destaque

    A semana Portugal Social on the Road continua a seguir viagem. A paragem do dia foi em Miranda do Corvo, para uma visita à Fundação Assistência, Desenvolvimento e Formação Profissional (ADFP). Falar da ação institucional da ADFP é incluir um universo heterogéneo de apoios destinados à área social. Desde a assistência prestada a idosos, bem como à infância e juventude e, ainda, à mulher vítima de violência doméstica até à prestação de cuidados de saúde e apoio à deficiência, passando pelo acolhimento de refugiados, a valência da fundação define-se pela extensão de apoios a muitas das franjas societárias com necessidades a colmatar.

  • Portugal (e inclusão) Social

    Mais um dia da academia dedicada à área social. Hoje a visita decorreu na CERCIPENICHE – Cooperativa de Reabilitação. Este é um espaço que se constituí por unidades distintas, entre elas, o Centro de Reabilitação Profissional (CREAP), que oferece a jovens com deficiência ou incapacidade a oportunidade de aprender uma profissão. Existe também o Centro de Recursos para a Inserção Social e Comunitária (CERISC) e, ainda, o Centro de Respostas Integradas (CERIN), bem como o Centro de Recursos para a Inclusão (CRI).

  • O Portugal Social já está na estrada

    Começou hoje mais uma edição da iniciativa que resulta da parceria entre a Cooperativa António Sérgio para a Economia Social (CASES) e a Forum Estudante. A ideia da semana - Portugal Social on the Road - é visitar cinco localidades diferentes e cinco instituições de cariz social.

  • Portugal Social on the... River

    O quinto dia da semana dedicada à economia social teve como factor comum o rio e a cultura a ele associada – factores ligados à atividade das instituições locais. Quando o presidente da GSSDRC de Miro perguntou a Manuel Bento se queria deixar algumas palavras aos 50 participantes do Portugal Social on the Road, o barqueiro foi breve: “só quero dizer que esta era uma vida dura”. De pé no leito do Mondego, dentro da canoa típica desta região, o barqueiro apontou para a ponte do IP3 e acrescentou: “não havia esta estrada. Nem outras. A estrada era o rio”.

  • Portugal Social sempre a subir

    Seguindo para norte, a boleia da economia social passou por Moimenta da Beira e Penacova, no quarto dia. A primeira paragem ocorreu na Cooperativa Agrícola do Távora. Vítor Pereira, gestor operacional, recebeu os participantes, salientando o papel das cooperativas na economia das regiões onde se inserem, nomeadamente através do investimento em soluções inovadoras. “Portugal tem uma coisa que poucos povos têm –microclimas diferenciados. Isso poderá potenciar o país através da aposta em produtos diferentes”.

  • Da cidade à serra, faz-se o Portugal Social

    O Portugal Social on the Road continua a sua viagem pela economia social. No terceiro dia, de Castelo Branco à Serra da Estrela houve novas histórias e lugares para conhecer. A aventura começou logo pela manhã com uma visita à Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental. A APPACDM de Castelo Branco inaugurou em 1973 com apenas sete crianças, três das quais ainda estão com a instituição, hoje tem três edifícios residenciais, uma escola de educação especial, um centro de formação, entre outras estruturas. A receção aos participantes foi feita no edifício da escola pela diretora técnica da instituição, Filomena Vitório. Referindo-se aos trabalhos diários aqui desenvolvidos, a diretora salientou que todos têm algo a contribuir independentemente da sua condição: "costumo dizer que aqui nesta instituição não há deficientes, se tirarem o 'd' o que é que fica? Eficientes. Aquele que consegue rasgar papel, rasga, aquele que consegue colar, cola, - é um trabalho de equipa".

  • Nova paragem, novas realidades

    O Segundo dia do Portugal Social on the Road ficou marcado pela visita ao Centro Luís da Silva, em Borba. Foi em pleno Alentejo profundo que os 50 jovens puderam ficar a conhecer o trabalho realizado todos os dias neste centro de apoio a deficientes. Aurelino Ramalho, administrador do Centro Luís da Silva, recebeu os participantes, explicando aquela que é a missão desta instituição. "Estamos a fazer um trabalho fantástico, a dar voz e vida a estas pessoas", realçou. Desejou ainda que, "no final desta visita, estejam muito mais felizes e muito mais satisfeitos".

  • À boleia do autocarro social

    Arrancou hoje a terceira edição do Portugal Social on the Road – a semana que dá a conhecer de perto o setor da economia social. A viagem começou no Padrão dos Descobrimentos. Perante os 50 participantes que compunham a plateia, Rui Marques, CEO da Forum Estudante, deu as boas-vindas: “esta é uma semana inesquecível, onde é possível aprender, ter tempo de diversão, fazer amigos e conhecer diferentes cidades”. “Desejo-vos uma fantástica semana Portugal Social”, sublinhou. Ainda relativamente aos objetivos desta semana, Rui Marques destacou que o Portugal Social on the Road colocará os jovens “em contacto com diferentes realidades sociais”, o que se apresenta como “um grande desafio para esta geração”.

  • O fim da estrada para o Portugal Social on the Road

    No último dia desta semana, dedicada à economia social, ainda tivemos tempo de viajar até Espinho e conhecer da CERCI local. Ao chegar à Cooperativa de Educação e Reabilitação do Cidadão Inadaptado (CERCI) de Espinho fomos recebidos pela presidente, Rosa Couto que nos explicou o trabalho desenvolvido nos diferentes espaços da instituição.

  • O início da despedida do Portugal Social on the Road

    O penúltimo dia da Portugal Social on the Road levou-nos à cidade invicta, deixando-nos já com sabor ao fim desta nossa aventura solidária. Dedicámos a nossa manhã a conhecer a Obra Diocesana do Porto (ODP), que conta já com 50 anos de história. No Centro da Pasteleira fomos recebidos pelo presidente desta instituição, Américo Ribeiro, que nos contou como a ODP ajuda a população mais carenciada, dirigindo os seus serviços sobretudo para as crianças e para idosos. João Pratas, colaborador dos Serviços Centrais da ODP explicou-nos que para além de uma creche, atelier de tempos livres, centro de dia e apoio domiciliário, esta instituição também tem um Centro de Apoio e Aconselhamento Familiar e 10 cantinas sociais.

  • Encontro de gerações no Portugal Social on the Road

    A Covilhã foi o local escolhido para o 4º dia da nossa aventura social, onde ficámos a conhecer a Mutualista Covilhanense. Pela manhã e porque a viagem assim o permitiu, pudemos apreciar a bela natureza da Serra da Estrela. E chegámos mesmo a subir à Torre, o ponto mais alto de Portugal e que estava envolto num denso manto de nevoeiro.

  • Sólidários também com a natureza

    No terceiro dia do Portugal Social on the Road fomos descobrir alguns dos encantos escondidos na serra da Lousã. Para começar bem o dia, caminhámos pela natureza pela descida da Candosa, guiados por Helena Rodrigues e Paulo Paiva, da Cooperativa de Vila Nova do Ceira. O início do passeio foi um pouco atribulado devido ao trilho de pedras e folhas escorregadias. Pelo percurso tivemos oportunidade de disfrutar de uma natureza cheia de ar puro e ver algumas espécies. Passamos pelo cruzamento dos rios Sótão e Ceira e por algumas populações.

  • Conhecer uma realidade fora da comum

    No segundo dia ddo Portugal Social on the Road, estivemos em Fátima onde conhecemos o Centro de Apoio a Deficientes João Paulo II. A animadora sociocultural Teresa Gonçalves recebeu-nos no auditório para uma breve explicação sobre o Centro João Paulo II, onde estão alojados 192 utentes com deficiência profunda. Para além dos vários módulos de residência, esta instituição possui uma escola de educação especial e desenvolve uma série diversificada de atividades que permitem aos seus utentes desenvolverem as suas capacidades cognitivas.

  • Portugal Social já está on the road

    Foi a partir do Padrão dos Descobrimentos que iniciámos a viagem no Portugal Social on the Road, uma semana dedicada à economia social com a CASES e a Forum Estudante. Em Lisboa, conhecemos os restantes participantes que vieram de todo o país e os animadores que nos vão acompanhar durante estes dias. Na sessão de abertura, fomos recebidos pelo diretor geral da Forum Estudante, Rui Marques e pela vice-presidente da Cooperativa António Sérgio para a Economia Social (CASES), Carla Pinto. Rui Marques deu-nos as boas-vindas e explicou-nos o objetivo desta aventura: conhecer várias instituições de cariz social, de diversas vertentes e perceber qual o trabalho que desenvolvem, bem como a sua importância. Além disso, esta é também uma semana para nos divertirmos e uma oportunidade de conhecermos várias regiões do nosso país. Por isso, Rui Marques aconselhou-nos “olhos e corações bem abertos para o que vão experienciar esta semana”.

  • Portugal Social On The Road 2018

Portugal Social sempre a subir

Seguindo para norte, a boleia da economia social passou por Moimenta da Beira e Penacova, no quarto dia. A primeira paragem ocorreu na Cooperativa Agrícola do Távora. Vítor Pereira, gestor operacional, recebeu os participantes, salientando o papel das cooperativas na economia das regiões onde se inserem, nomeadamente através do investimento em soluções inovadoras. “Portugal tem uma coisa que poucos povos têm –microclimas diferenciados. Isso poderá potenciar o país através da aposta em produtos diferentes”.

Referindo-se ao papel das cooperativas no desenvolvimento das regiões, Vítor Pereira salientou, por exemplo, que “as cooperativas podem ajudar a minimizar desertificação”. Por outro lado, o trabalho diário destas instituições ajuda os produtores no dia-a-dia, oferecendo-lhes também um papel na gestão: “toda a produção dos cooperadores é absorvida pela estrutura”, realçou, acrescentando, “todos têm direito a voto, independentemente do seu capital social”. A Cooperativa Agrícola do Távora tem cerca de 1500 sócios na seção de vinho e de 300 sócios na seção de fruta. Anualmente, a cooperativa produz sete mil litros de vinhos sete mil toneladas de maçãs, para além de 700 mil garrafas de espumante. Seguiu-se uma visita guiada às caves do espumante Terras do Demo onde os jovens puderam ficar a conhecer todo o processo produtivo, nomeadamente através do método clássico, com recurso a uma garrafa de fermentação. Aquando da sua abertura, as caves Terras do Demo produziam 10 mil garrafas, tendo registado um crescimento de 30% ano. Este aumento na procura, informou o gestor operacional, levou “ao investimento na estrutura produtiva” com a ampliação do espaço.

Foi precisamente no interior das caves Terras do Demo que os participantes puderam assistir a um vídeo explicativo de toda a atividade vínicola da cooperativa. Sublinhando a importância da comunicação num mercado global, Vítor Pereira reforçou que “sem uma marca por trás, existem menos hipóteses de sucesso. Contudo, aliada a uma boa imagem tem de estar um bom produto”. “A melhor maçã do país” Paralelamente à produção de vinho e espumante, a Cooperativa Agrícola do Távora escoa ainda os resultados das colheitas locais de maçã dos seus sócios. Os 50 jovens ficaram a conhecer toda a estrutura de classificação (por tamanho, cor e defeito), câmara de frio e embalagem. “Esta é a melhor maçã do país”, assegurou Vítor Pereira que evocou factores como a altitude, a acidez do terreno e a amplitude térmica como factores diferenciadores na produção desta fruta.

A realidade das aldeias de Penacova O Grupo de Solidariedade Social, Desportivo, Cultural e Recreativo de Miro é o maior empregador do concelho de Penacova, assegurando 60 postos de trabalho, sendo apenas superado pela autarquia local. Foi o seu fundador e sócio número um, Manuel Nogueira, presidente da instituição, que recebeu os participantes. “Parabéns por aceitarem este desafio de conhecer o Portugal social”, afirmou, acrescentando que “por vezes, nas grandes cidades, não existe essa noção”.

Quanto à atividade deste grupo fundado em 1980, ela divide-se em pólos. Para além das vertentes desportiva e recreativa (que inclui um grupo de rancho folclórico), O GSSDCR de Miro possui ainda uma forte componente social cuja visão, revelou a diretora do pólo social, Helena Henriques, consiste em “prestar serviços de satisfação das necessidades e a melhoria da qualidade de vida da comunidade”. Nesse sentido, o GSSDCR do Miro integra na sua estrutura um lar de terceira idade, um centro de dia, uma creche e ainda serviços de apoio domiciliário e de saúde. No próximo ano, será ainda inaugurado um programa de ocupação de tempos livres, em colaboração com parceiros locais. “Tentamos ser uma instituição onde os utentes não estão apenas sentados nas cadeirinhas a ver televisão”, salientou Helena Henriques. Por essa razão, os utentes podem realizar atividades como ginástica, hidroginástica, passeios, ateliers, entre outros. Tudo para que “se sintam úteis e ativos”, reforçou. De 2012 a esta parte, o GSSDCR de Miro oferece ainda serviços no setor das viagens e turismo. Inserido nessa vertente foi lançada recentemente a aplicação móvel Portugal Tradicional que permite “visitar Portugal inteiro sem necessidade de um papel ou de um posto de turismo”, referiu Manuel Nogueira. Na tentativa de fazer circular a riqueza dentro da comunidade foi também criada uma cooperativa que contou com o apoio, da CASES, aquando da sua fundação. “O objetivo é que o dinheiro seja movimentado localmente”, explicou Vítor Andrade, presidente da cooperativa. Por essa razão, “o próprio GSSDCR é sócio cooperador”, acrescentou. Para além de ficarem a conhecer a atividade do grupo, os jovens puderam ainda ficar a saber um pouco da história e cultura da região. O presidente da União das Freguesias Friúmes e Paradela, António Fernandes, descreveu alguma da gastronomia, artesanato e tradição destas aldeias, destacando as paisagens naturais que “são o seu cartão de visita”.

Lido 34 vezes